https://www.high-endrolex.com/15

Espaço Apimec Brasil

A IMPORTÂNCIA DAS VISITAS AOS PARQUES FABRIS DAS COMPANHIAS

O mercado de capitais brasileiro tem apresentado constante evolução. Dos primórdios com a criação do Banco do Brasil fundando com a chegada da família real em 1808, criação do Banco Central do Brasil em 1964, da CVM - Comissão de Valores Mobiliários e a Lei das Sociedades por Ações em 1976, muita coisa mudou, o mercado cresceu e o acesso aos produtos mais sofisticados de investimento tem sido uma tendência.

Chegamos à atualidade com uma “Faria Lima” efervescente, com o crescimento contínuo do número de gestoras de fundos de investimentos, gestores de fortunas e boutiques de investimentos que se acumulam aos gigantes do mercado, concentrados na mesma região. A atividade do analista de investimento acompanha esta nova realidade com a modernização, em alguns casos já auxiliada por inteligência artificial. As mudanças são constantes, mas há, no entanto, certas tradicionalidades que não mudam. E há bons motivos para explicar.

Voltando um pouco no tempo, período em que o trecho financeiro da Faria Lima sequer existia e a atividade do analista de investimento era pautada por uma máquina de calcular financeira e cujas pesquisas eram resultantes da leitura em papel, advindas de notícias e publicações dos balanços impressos em jornal. Momento em que internet sequer era discutida neste meio. Neste período a APIMEC Brasil já chegava à sua maioridade e com importante presença no cotidiano destes profissionais.

Nos anos 80 e 90 o cordão umbilical entre mercado e companhias abertas listadas em bolsa eram restritas às apresentações na associação. Além destes encontros, as visitas às instalações era também prática bastante comum para o restrito e ainda pequeno mercado de capitais. Empresas aspirantes à listagem ou mesmo aquelas já listadas reuniam grupos de profissionais do mercado financeiro para visitas às suas instalações industriais, em uma ou mais unidades. Prática adotada em esmagadora maioria das empresas em processo de listagem inicial – IPO (sigla para Inicial Public Offering). Estas visitas eram a ponte de conhecimento e fonte de informações entre mercado e empresas.

Esta proximidade, principalmente para aos novos profissionais de mercado, é um facilitador para o melhor conhecimento sobre a empresa que provavelmente irá acompanhar e elaborar seus relatórios de análise. Visão mais clara também sobre o setor e os processos e diferenciações de produção de cada empresa. Sem contar, na proximidade entre as pessoas: mercado e empresas trocando informações de maneira mais humanizada.

Não só o mercado de capitais evoluiu, mas muita coisa mudou até aqui. Não é de hoje que a preferência pelas reuniões presenciais tem sido deixada de lado por uma grande maioria. A distância, as dificuldades de locomoção a busca pela produtividade e principalmente por ser uma área que trabalha com urgências de informações, dado o imediatismo necessário para tomada de decisão de gestores de investimento, a tecnologia já apontava como substituição ao contato in loco. Não há dúvidas quanto à praticidade e o funcionamento das relações em meio virtual. Ao dispensar necessidade de locomoção, o virtual confere agilidade e pontualidade nas reuniões.

Não bastasse a tendência já acelerada pelo movimento tecnológico, veio a pandemia da Covid 19 para impor como obrigatória esta conexão. Tudo passou a ser virtual. Incluindo os IPOs, em que empresa e o próprio Banco de Investimento responsável pela preparação da oferta se relacionaram por meio virtual. Naquele momento o mercado financeiro consolidou o modelo virtual em todos os seus processos.

Mas é de fato o que nos torna mais produtivos? Estamos de fato interagindo de maneira adequada e suficiente? Temos a percepção real do negócio da companhia pela observação à distância?

Para estas questões, sugiro algumas reflexões e minha resposta a elas pode até ser antecipada. Prefiro gente, prefiro características humanas. Para a produtividade podemos nos apossar de novas tecnologias. Interação virtual funciona, mas a interação presencial ainda está na preferência de muitos. Muitas dúvidas surgem e muitas informações novas podem surgir a partir de um conhecimento mais apurado da empresa.

Mas além da minha opinião para este público, as visitas às empresas continuam sendo tão importantes atualmente quanto no nostálgico período sem tecnologia e podemos constatar. Nas recentes visitas promovidas pela APIMEC Brasil em conjunto com empresas parceiras houve tanto adesão significativa quanto relatos da relevância deste processo para compreensão do negócio, interação com a companhia e com demais participantes do mercado.

Aspectos que diferenciam na relação. Começando pelo fato de as reuniões presenciais permitirem maior aproximação, não somente entre empresa e analista, mas permite a expansão de nossa rede de contatos entre os profissionais ligados à outras instituições e a troca de impressões é sempre muito enriquecedora.

Tem ainda a interação. O virtual não traz para a mesa de trabalho aquele momento de troca de percepções, a interação mais dinâmica do presencial onde a percepção de cada profissional pode ser debatida de maneira mais descontraída. Vínculos também no mundo financeiro, por mais moderno que se torne, ainda são necessários. Somos programados para viver em sociedade e interagir.

De fato, é assegurado, sem dúvida o acesso às informações necessárias e suficientes para emitir recomendações sobre as empresas pelos meios virtuais a que temos acesso. Assim como no passado acessávamos pelas publicações da Gazeta Mercantil e demais veículos de informações. Mas absolutamente nada substitui a experiência da vivência in loco. O conhecimento e aproximação com a atividade da empresa ativa em nossa memória informações que permanecerão e que farão a diferença na rotina de análise.

A possibilidade de fazer uso da tecnologia, da inteligência artificial a nosso favor pode viabilizar o uso do tempo para criar vínculos fora do ambiente virtual. Neste contexto, a APIMEC Brasil, no intuito de resgatar o “face a face” tem orgulho em incentivar o insubstituível e tornar mais frequente tais encontros.

Analistas associados, credenciados e certificados podem contar com a APIMEC Brasil para estas interações.


Mara Limonge
é Diretora de Eventos e Relações com Empresas na APIMEC Brasil; e Conselheira de Administração.
limonge.mara@gmail.com


Continua...