https://www.high-endrolex.com/15

Sustentabilidade

ESG: MAIS QUE FILOSOFIA, UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA EMPRESARIAL

Em um mundo onde a sustentabilidade dita o ritmo dos negócios, entender o ESG é mais do que uma tendência - é a chave para garantir o futuro de sua empresa.

Em um cenário global onde as mudanças climáticas, as desigualdades sociais e a governança corporativa estão no centro das atenções, surge uma pergunta: O que sua empresa está fazendo a respeito? Muitos podem pensar que ESG é apenas uma tendência passageira, um modismo. No entanto, é fundamental entender que essa visão está ultrapassada.

A realidade é que o ESG deixou de ser uma opção e tornou-se uma necessidade. Não estamos falando de uma questão meramente filosófica ou de uma moda passageira. Estamos falando de sobrevivência. ESG é prático, objetivo e, acima de tudo, uma questão de sobrevivência empresarial.

A implementação de práticas ESG pode ser vista por algumas empresas como um custo adicional, especialmente para aquelas que estão apenas começando sua jornada de sustentabilidade. No entanto, é essencial entender que os benefícios a longo prazo superam amplamente os custos iniciais. A resiliência empresarial, a lealdade do cliente, a retenção de talentos e o acesso a capital são apenas alguns dos benefícios tangíveis que as empresas podem esperar ao adotar práticas ESG.

A era digital trouxe consigo um consumidor mais informado e exigente. Com apenas alguns cliques, os consumidores podem acessar uma vasta quantidade de informações sobre produtos, serviços e as empresas que os fornecem. Esta transparência sem precedentes tornou as práticas empresariais, boas ou más, mais visíveis do que nunca. De acordo com um estudo da Cone Communications, 87% dos consumidores afirmaram que comprariam um produto com um benefício social ou ambiental se fosse oferecido ao lado
de um produto similar sem benefício. Além disso, 76% considerariam a postura de uma empresa sobre questões sociais e ambientais ao decidir onde comprar ou trabalhar.

As gerações mais jovens, como os millennials e a geração Z, estão redefinindo o mercado com suas exigências e valores. Eles não apenas consomem, mas também decidem onde trabalhar e investir com base em práticas sustentáveis. Segundo um relatório da Deloitte, 76% dos millennials consideram práticas sustentáveis como um fator importante ao escolher um empregador. E não para por aí. A mesma pesquisa aponta que 73% dos profissionais consideram ter um trabalho com propósito importante para sua satisfação no trabalho.

Mas o que isso realmente significa para as empresas? Significa que as empresas que não se adaptarem a essa nova realidade correm o risco de serem abandonadas, perdendo talentos valiosos e oportunidades de mercado. A INAC - Global Executive Search destaca que as preocupações com ESG se tornaram elementos-chave na tomada de decisões empresariais. Estes critérios não só afetam a reputação de uma empresa, mas também desempenham um papel fundamental na atração e retenção de talentos, bem como na formação da cultura da empresa e no engajamento dos funcionários.

Neste cenário, a liderança desempenha um papel crucial na promoção e implementação de práticas ESG. Os líderes empresariais devem ser os principais defensores da sustentabilidade, estabelecendo uma visão clara e comunicando essa visão a todos os níveis da organização. A liderança deve também garantir que os recursos adequados sejam alocados para a implementação de práticas ESG e que a empresa esteja constantemente avaliando e ajustando suas estratégias à medida que novas informações e tendências emergem.

Uma cultura organizacional que valoriza a integridade, a responsabilidade social e o respeito pelo ambiente natural é mais propensa a atrair e reter talentos. Mas, além de atrair talentos, as práticas de ESG também têm um impacto direto na linha de fundo das empresas. Empresas que adotam práticas sustentáveis têm mostrado ter um desempenho financeiro melhor a longo prazo.

Mas, além dos talentos, há o aspecto financeiro. Desde a carta de Larry Fink, CEO da BlackRock, enviada aos CEOs em 2018, cresce a importância do ESG nas decisões de investimento. Ficou evidente que os investidores estão cada vez mais preocupados com os indicadores ESG na seleção das empresas em que farão investimento e esteja certo que isto não ocorre por uma questão filosófica, mas absolutamente fria e pragmática! Eles reconhecem que as políticas ESG garantem uma maior probabilidade de sustentabilidade da empresa, de sua sobrevivência e crescimento. Mas por que essa mudança tão drástica? Porque os riscos associados a práticas insustentáveis ou antiéticas podem ter implicações financeiras diretas. Empresas que não adotam práticas ambientais sustentáveis podem enfrentar multas regulatórias, litígios ou danos à sua reputação. Por outro lado, empresas que adotam práticas de ESG robustas podem se beneficiar de oportunidades de mercado, como a crescente demanda por produtos e serviços sustentáveis.

A realidade é clara: as empresas que não incorporam práticas ESG robustas enfrentam o risco de perder os melhores talentos do mercado, de não atrair investidores e, consequentemente, de verem suas vendas diminuírem.

Em conclusão, a adoção de práticas ESG não é uma questão de se, mas de quando. E para as empresas que desejam não apenas sobreviver, mas prosperar no cenário empresarial do século XXI, o momento de agir é agora. A questão é: sua empresa está pronta para enfrentar esse desafio?


Marcelo Murilo
é co-fundador e VP de Inovação do Grupo Benner, Mentor, Conselheiro, Membro do Board Club e Especialista do Gerson Lehrman Group e da Coleman Research. Fala sobre Inovação, Governança e EESG.
marcelo.murilo@benner.com.br


Continua...